Nossa História

 

Em 1976, as Irmãs do Bom Pastor, chegaram a Campinas, a convite do Padre Haroldo Rahm para realizar um trabalho com as mulheres em situação de prostituição, no bairro Jd. Itatinga – zona confinada de prostituição.  Preocupadas com a situação das mulheres, as Irmãs Maria Lourdes Vicari e Ana Maria Rocha Bastos organizaram o trabalho da PMM “Pastoral da Mulher Marginalizada”, favorecendo o resgate de sua cidadania e dignidade como filhas de Deus.
 
Em 1981, iniciou-se um trabalho de prevenção com as crianças do bairro, a fim de evitar que as mesmas optassem pela prostituição e drogas.
As Irmãs mobilizaram a comunidade a ter uma sede para oficinas e atividades.  Solicitaram ajuda aos Padres Capuchinhos para a construção de um espaço de acolhimento e trabalho com as mulheres prostituídas, em um terreno doado por Francisca Marquetti Rios. Este Espaço I - Centro Comunitário N. Sra. Aparecida foi inaugurado em 27/11/1985. Lá funciona o bazar como fonte de captação de recursos.
 
O CEPROMM “Centro de Estudos e Promoção da Mulher Marginalizada” foi criado em 1993, como Entidade jurídica.
 
Em 10/05/2003, inaugurou-se o Espaço II - Bom Pastor – construído com recursos advindos da ONG “Tudo é Brasil” com a cooperação do Doutor Ailton de Carvalho Garcia. 
Acreditando na transparência e competência do CEPROMM, a Empresa UPS do Brasil e Paróquia Cristo Rei viabilizaram a construção de um playground e uma Quadra Poliesportiva inaugurada em 2006.
 
A Prefeitura de Campinas, reconhecendo a excelência de nossos serviços, propôs, em fevereiro de 2007, uma maior abrangência ao Serviço de Atendimento Especializado às Famílias e Indivíduos que vivenciam violações de Direitos no bairro Cidade Singer. Lá funciona o Espaço III – Santa Maria Eufrásia. Em 2008, foram construídas duas salas e dois banheiros, com recursos doados pela Congregação do Bom Pastor, Campanha da Fraternidade e 1% e 6% do I.R. de pessoas jurídicas e físicas. 
Em 2008, foi adquirido um novo espaço no Jardim Itatinga, espaço Divina Pastora, utilizado para atendimento psicossocial às famílias. 
Em 2011, foi inaugurado um novo espaço ao lado do playground com banheiros, vestiários, salão multi uso, uma cozinha e garagem.
 
O CEPROMM desenvolve suas atividades em três espaços cedidos pela Arquidiocese de Campinas.  
 
Atualmente, a meta de atendimento são 230 crianças e adolescentes, que participam de atividades sócio educativas em complemento ao ensino formal: dança, esportes, jogos pedagógicos, teatro, informática e espiritualidade.